domingo, 1 de maio de 2016

Heróis do passado: Steve Francis

Maryland o primeiro passo
   Vamos contar hoje a história de Steve Francis, um grande armador da NBA nos anos 2000, um atleta com muita habilidade, com um drible assassino, atleticismo invejável nas suas enterradas, jogadas de streetball, tudo fazia parte do show. Aqui nossa singela homenagem a sua trajetória.
   Steve Francis nasceu e foi criado em Takoma Park, Maryland. Após a morte de sua mãe por conta de um câncer em 1995, foi criado pela avó e parou de jogar basquete por dois anos. No basquetebol universitário já fez história, jogou por San Jacinto College do Texas em 1996/97, e no Aleganny College of Maryland em 1997/98, tornando-se o primeiro jogador a jogar em duas equipes invictas no Campeonato Nacional. Depois foi transferido para Maryland em 1998, na sua temporada júnior, com sua chegada a equipe deu uma impulsionada e terminou em 5° na pré-temporada. A equipe chegou a segunda posição no país, terminando em segundo no torneio ACC e ele foi nomeado para All-ACC primeiro time e All ACC Equipe do Torneio. Chegaram ao torneio da NCAA mas perderam no Sweet 16 para St. John's. Após essa temporada, mesmo dizendo que provavelmente voltaria a Maryland, optou por se inscrever no Draft.
Seu jogo agressivo chamava atenção
   Sua carreira na NBA começou em 1999, quando foi a segunda escolha do Draft pelo Vancouver Grizzlies. Ele anunciou publicamente que não queria jogar pela franquia, citando a distância de sua casa, impostos, e a vontade de Deus. Fortemente criticado por suas brincadeiras, principalmente em Vancouver, ele pensou em juntar-se a franquia, mas negociações conturbadas com a franquia e um incidente no Aeroporto de Vancouver o convenceu de uma troca. Ele conseguiu uma troca, a maior da história na época, envolvendo 11 jogadores e 3 equipes, levando-o para o Houston Rockets.
   Com os Rockets terminou a temporada como novato do ano, dividindo o título com Elton Brand e foi vice-campeão de enterradas, mas os Rockets tiveram um recorde de 38-48. Na temporada seguinte melhoram o recorde, chegando a 45-37 mas novamente perdendo a pós-temporada. EM sua terceira temporada foi eleito All-Star, mas acabou atuando em apenas 55 partidas por conta de uma lesão no pé e recorrentes enxaquecas. Por conta disso o recorde da franquia foi 28-54, lhe rendendo a primeira escolha do Draft de 2002, Yao Ming. A dupla fez sucesso e no All-Star Game de 2003 atuaram juntos, mas ainda assim a equipe não chegou aos Playoffs.
   O treinador Rudy Tomjanovich deixou o cargo, e Jeff Van Gundy assumiu o cargo, mas o estilo do treinador não condizia com o seu jogo, reduzindo suas médias de 21 pontos, 6.2 rebotes e 6.2 assistências, para 16.6 pontos, 5.5 rebotes e 6.2 assistências. Os Rockets chegaram aos Playoffs pela primeira vez desde 1999, que seria a única experiência na pós-temporada de Steve Francis, mesmo com médias de 19.2 pontos, 8.4 rebotes e 7.6 assistências, os Rockets foram eliminados pelos Lakers em cinco jogos. Com a relação de Francis e Van Gundy deteriorada, ele foi negociado com mais dois companheiros para o Orlando Magic.
Uma troca inesperada
   Primeiramente Francis estava descontente, mas logo se adaptou ao novo ambiente. Tinha médias de 21.3 pontos, 5.8 rebotes e 7 assistências, com a equipe começando muito bem a temporada, mas Francis se irritou com a troca de seu amigo Cuttino Mobley, a equipe desandou e perdeu os Playoffs. Na temporada seguinte o descontente Francis foi suspenso por conduta prejudicial para a equipe, e o ano foi inteiro de especulações sobre sua saída. Na temporada seguinte foi para o New York Knicks, ele estreio dia 24 de fevereiro e após alguns jogos sofreu uma lesão recorrente, uma tendinite no joelho direito, retornando somente em fevereiro de 2007 a jogar. Na noite do Draft foi envolvido em uma troca, acabando como agente livre irrestrito.
   Com isso, Miami Heat, Los Angeles Clippers, Dallas Mavericks e Houston Rockets o queriam. Ele optou por assinar com o Houston Rockets, no entanto não conseguiu se adaptar a rotação de Rick Adelman e teve médias de 5.5 pontos e 3 assistências em 10 partidas antes de o quadríceps esquerdo por conta de uma lesão. Ele usou sua opção de contrato e voltou para a temporada 2008/09, ele emagreceu nos treinamentos, mas não conseguiu se recuperar de uma lesão e não jogou no começo da temporada. Dia 24 de dezembro de 2008 foi negociado para o Memphis Grizzlies, sendo dispensado no dia 27 de janeiro de 2009 sem nunca ter atuado. Em 2010 atupu na Liga Chinesa de Basquete, em 14 partidas pelo Beijing Ducks, depois deixou a equipe em dezembro e retornou aos EUA.
   Francis foi um grande nome na liga, um jogador muito conhecido nos anos 2000, um cara que encantava por seu estilo de jogo e marcou seu nome na liga. Terminou a carreira como 3 x All-Star, Novato do Ano e All-Rookie Primeiro Time, com médias de 18.1 pontos, 6 assistências e 5.6 rebotes.
   

sábado, 30 de abril de 2016

Paul Pierce ainda não decidiu seu retorno

Paul Pierce 50-50 para continuar a carreira

   Horas após o Los Angeles Clippers ser eliminado dos Playoffs, Paul Pierce não sabe ao certo se retornará ou não para a sua 19° temporada.
   O jogador de 38 anos disse a repórteres no sábado que ele tem 50% de chances de voltar, mas disse que vai evitar tomar uma decisão pautado em suas emoções.
   Pierce concordou com um negócio de três anos, no valor de 10 milhões de dólares antes dessa temporada, sendo 3,5 milhões no próximo ano e 3,7 milhões na temporada 2017/18, apesar de apenas 1 milhão estar garantido.
   Depois de ser titular em 73 partidas com o Washington Wizzards na temporada 2014/15, Pierce atuou como reserva para o Clippers. Ele começou em apenas 38 das 68 partidas que jogou, tendo médias de 6.1 pontos, 2.7 rebotes e 1 assistência em 18.1 minutos por partida, todas as médias mais baixas da carreira.
   Na última sexta-feira os Clippers foram eliminados pelo Portland Trail Blazers em seis jogos. Não sei se Pierce voltará, mas confesso que vê-lo jogando vindo do banco não condiz com a carreira excelente que teve, infelizmente essa temporada não lhe proporcionou manter seu jogo. Espero que ele termine seu contrato com o Clippers, acho que ele vai querer voltar e encerrar a carreira do melhor jeito possível e jogando o seu melhor.

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Último ano de Kevin Garnett?

21 temporadas e talvez indo para mais uma

   O futuro de Garnett ainda é incerto, ele tem um contrato assinado para a temporada 2016/17 com o Minnesota Timberwolves, mas poderia decidir se aposentar a qualquer momento. Até o momento o novo treinador, Tom Thibodeau, não falou com o ala pivô veterano de 21 temporadas, ninguém tem certeza do que vai acontecer.
   "Nesse momento é muito cedo para falar sobre isso até que eu tenha uma oportunidade de falar com ele. Ele ganhou esse direito. Eu quero sentar e ver o que ele está pensando, como ele está se sentindo, e depois vamos ver o que tirar disso". - disse Thibodeau ao Pioneer Press na terça-feira.
   Garnett deve jogar a próxima temporada, ele ganhará 8 milhões. Na última temporada atuou em 38 partidas, em torno de 14,6 minutos por jogo e teve médias de 3.2 pontos e 3.9 rebotes. Mesmo com números tão baixos a presença de Garnett e sua experiência são fundamentais para o jovem elenco, especialmente para Karl Anthony-Towns, o provável novato do ano e que atua como ala/pivô ou pivô. Os conselhos de Garnett podem tornar o jovem atleta um grande astro da posição, e ser uma peça fundamental para o futuro da franquia.
   Particularmente, como torcedor, espero ver Garnett mais um aninho e poder ver toda a sua energia e malícia em quadra. Tomara que o veterano queira jogar mais uma temporada.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Kevin McHale cotado para ser treinador dos Kings

Excelente opção para os Kings

   Enquanto a busca pelo novo treinador dos Kings continua incerta, um nome emerge como primeira opção entre tantos outros, o de Kevin McHale. Ex-treinador do  Minnesota Timberwolves e do Houston Rockets, é o favorito para assumir o cargo de acordo com James Ham da CSN.
   Em sete temporadas como treinador, McHale tem 232 vitórias e 185 derrotas, chegando a pós temporada em quatro oportunidades. Ele foi demitido de suas funções no Houston Rockets no começo da temporada, apos um inicio com 4 vitórias e 7 derrotas. Na minha opinião uma decisão extremamente precipitada.
   Os Kings teriam entrevistado Vinny Del Negro na segunda-feira, assim como Mark Jackson, Mike Woodson, Sam Mitchell, Nate McMillan, e Luke Walton, todos estes candidatos ao posto de treinador. De acordo com Ham, o assistente técnico do Memphis Grizzlies, Elston Turner, foi adicionado a lista recentemente.
   De todas as opções acredito que McHale seja a melhor, um treinador bem sucedido nas suas sete temporadas, que chegou as finais de conferência no ano passado e que pode fazer a equipe do Sacramento Kings voltar aos bons tempos do começo dos anos 2000.

domingo, 24 de abril de 2016

Heróis do passado: Stephon Marbury

Primeira equipe na NBA
   Hoje nossa série vi relembrar a carreira de um grande armador que passou pela NBA, fez muito sucesso nos anos 2000 e ainda joga basquete profissional na China. Contaremos hoje um pouco da trajetória de Stephon Marbury, muito conhecido por seus tempos de Phoenix Suns e New York Knicks.
   Marbury, também conhecido por Starbury em sua juventude, nasceu e foi criado em Coney Island bairro do Brooklyn em Nova Iorque. Ele foi uma estrela da Abraham Lincoln High School, sendo nomeado após seu último ano como Mr. Basketball do Estado de Nova Iorque, sendo diversas vezes anunciado como o próximo grande armador de Nova Iorque a ter sucesso na NBA, seguindo os passos de Mark Jackson e Kenny Anderson.
   Em 1995 foi nomeado All-American juntamente com vários futuros atletas da NBA (Kevin Garnett, Paul Pierce, Shareef Abdur-Rahim e Antawn Jamison), sendo colocado no TOP 5 para o recrutamento. Ele foi fortemente seguido por Georgia Tech, principalmente pelo treinador Bobby Cremins, eventualmente ele assinou com a universidade. Em Georgia Tech atuou por apenas um ano, onde teve médias de 18.9 pontos, 4.5 assistências e 1.8 roubos de bola por partida, levando a equipe a um recorde de 24-12 e as Semifinais da Regional, onde perderam para Cincinnati. Após essa temporada ele tornou-se elegível para o Draft.
   Sua carreira na NBA começou em 1996 quando foi a 4° escolha do Draft, selecionado pelo Milwaukee Bucks, sendo imediatamente trocado para o Minnesota Timberwolves por Ray Allen e uma escolha de primeira rodada. Em sua primeira temporada teve médias de 15.8 pontos e 7.8 assistências, sendo nomeado para o All-Rookie Primeiro Time. Formando dupla com Kevin Garnett, levaram os Wolves aos Playoffs em 1997 e 98. Na temporada de 1999, encurtada pelo lock out o agente de Marbury exigiu uma troca, disse que o atleta queria ficar mais perto de casa, alguns falam que eram por questões de patrocínio, outros por não gostar de Minnesota e tem quem diga que foi por conta do contrato oferecido a KG. Fato é que ele foi negociado e acabou indo jogar no New Jersey Nets, em um acordo que mobiliou três franquias.
Grandes momentos na carreira foram no Nets
    Nos Nets teve grandes momentos de sua carreira, foi All-Star, anotou a pontuação mais alta da carreira, 50 pontos, mas mesmo com toda essa pompa por suas ações individuais, a franquia de New Jersey nunca chegou aos Playoffs. Em 2001 foi trocado para o Phoenix Suns, lá fez um bom trio com o novato do ano Amar'e Stoudemire e Shawn Marion, chegando aos Playoffs mas foram varridos pelos Spurs na primeira rodada.
   Em 2004 foi para um novo time, New York Knicks, finalmente em casa, franquia que torcia e cidade natal. Na temporada de 2005/06 teve problemas com o treinador Larry Brown, que foram cruciais para ao final da temporada, aliado ao mau desempenho da equipe, culminar com a demissão de Brown. Na temporada seguinte, Marbury se firmou como peça chave para a evolução da equipe, que melhorou em 23 vitórias o seu recorde. Na temporada 2007/08, logo de início foi conturbada, com Marbury e Isiah Thomas atual treinador, tendo problemas de relacionamentos que afetariam o andamento da temporada. Em abril de 2008 Isiah Thomas foi demitido, perdendo suas funções de diretor e presidente, sendo substituído por Mike D'Antoni. Com a chegada do novo treinador a franquia assinou com Chris Duhon, o que aparentemente acabaria com a titularidade de Marbury, o treinador lhe propôs jogar 35 minutos por jogo, mas ele se recusou e foi proibido de assistir aos treinos e jogos do New York Knicks.
Nova vida na China
   Sendo assim, em 2009 após muitas especulações tornou-se membro do Boston Celtics, onde assinou um contrato de um ano no valor mínimo de um veterano. Marbury não concordava com o contrato, e mais tarde na temporada disse que iria tirar um ano para atender seus interesses comerciais. Sua carreira na NBA se encerrou aqui, em janeiro de 2010 assinou com o Shanxi Zhongyu Brave Dragons, da CBA (Associação Chinesa de Basquete), em 2011 foi para o Foshan Dralions e desde 2011 atua no Beijing Ducks onde foi três vezes campeão e MVP da liga na temporada 2014-15.
   Mesmo ainda em atividade, Marbury merece ser lembrado por seus feitos na NBA, seu estilo de jogo arrojado e sua visão de jogo, seu lance no All-Star Game contra Vlade Divac é incrivelmente lembrando. Ele foi 2 x All-Star, 2 x All-NBA Terceiro Time, 3 x Campeão da CBA, 6 x CBA All-Star e CBA MVP das finais de 2015. Abaixo um vídeo sobre sua carreira e um vídeo com sua jogada histórica.





sábado, 23 de abril de 2016

Na mira do New York Knicks

Na mira do New York Knicks, segundo colocado no prêmio de Sexto Homem do Ano

   Após uma decepcionante temporada de apenas 32 vitórias para franquia, o New York Knicks, inevitavelmente procura fazer uma melhoria em seu elenco neste verão, principalmente na posição de armador.
   Mesmo com armadores talentosos sendo agentes livres, os Knciks podem estar de olho em um negócio com o armador do Sacramento Kings, Darren Collison, de acordo com as fontes de Ian Begley da ESPN. Collison se destacou vindo do banco, com médias de 14 pontos, 4.3 assistências, 1 roubo de bola e 41,8% de aproveitamento dos arremessos, médias que lhe renderam a segunda posição no prêmio de Sexto Homem do Ano. O jogador tem um ano de contrato restando e está programado para ganhar 5,2 milhões de dólares em 2016/17, o que seria um negócio muito bom dado o aumento no cap das equipes.
   Com pelo menos 18 milhões de espaço sobrando no cap, os Knicks provavelmente teriam dinheiro suficiente para assumir o contrato de Collison, tendo dinheiro de sobra para trazer um agente livre de qualidade. Acho que essa movimentação deve ser boa para os Knicks, Jose Calderon e Jerian Grant armavam o jogo, Grant é um jovem e seu futuro incerto, Calderón um veterano indo para a 11° primeira temporada que não rende muito. Collison pode ser uma chegada boa para compor um trio com Anthony e Porzingis, quem sabe os Knicks não contratam um agente livre bom e compõem um base sólida para a franquia?

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Wizards perto de fechar com Scott Brooks

Treinador de sucesso no Thunder está perto do Wizards

   O Washington Wizards teria feito uma proposta bem lucrativa para Scott Brooks. O presidente Ernie Grunfeld foi até Southern California para falar com Brooks, quarta-feira passada com esperanças de contratá-lo por cinco anos em um acordo entre 30 e 35 milhões de dólares, de acordo com Marc Stein da ESPN.
   Stein informou no começo da semana que o Wizards intensificou sua busca por Brooks, em um esforço para contratá-lo antes do Houston Rockets (que ainda não tem oficialmente uma vaga com a temporada em curso), tentar fazer negócios. Os Rockets mantinham uma esperança de que Brooks iria adiar uma tomada de decisão, até que essa proposta apareceu.
   O Wizards aparentemente tinham intenções em contratar Brooks desde a demissão de Randy Wittman, das suas funções após a decepcionante temporada com a equipe. Até esse momento, nenhuma notícia aponta para qualquer outra nome como treinador da franquia de Washington.
   Scott Brooks tem um recorde de 338-207 (62% de aproveitamento) em sete temporadas com o Oklahoma City Thunders, levando a equipe as finais da NBA em 2012, e as finais da Conferência Oeste em 2011 e 2014. Na minha opinião é um grande nome, um excelente treinador que sabe fazer seus atletas jogarem bem, até mesmo os mais limitados, uma excelente opção. Se o negócio se confirmar para o Wizards é uma aquisição muito boa, talvez até melhor do que possam conseguir com os agentes livres.