quinta-feira, 21 de julho de 2016

Um tapa na cara para nós

Jae Crowder deu entrevista sobre KD hoje 

   Assim Crowder definiu a decisão de KD em juntar-se a equipe da baía. Aparentemente não foram apenas Russell Westbrook e o Oklahoma City Thunder que sentiram-se largados no altar, com a escolha de Durant em juntar-se ao Golden State Warriors. Jae Crowder e o Boston Celtics ficaram com o mesmo ar de marido largado no dia casamento.
   Os Celtics foram uma das quatro equipes que Durant conversou e ouviu propostas, e depois ligou para dispensar a oferta, e foi a que, aparentemente, mais se empenhou em mostrar a sua estratégia para vencer o time que KD escolheu para atuar.
   "Fomos a única equipe na NBA que ganhou de Cleveland Cavaliers e Golden State Warriors em seus domínios, a única equipe na NBA, o Boston Celtics. Nós falamos isso pra ele. Dissemos que jogamos rápido em ambos jogos, e contamos basicamente sobre o scout da marcação em Curry e Thompson. Basicamente todo nosso plano de jogo, isso que me deixou louco. Nós contamos toda p***a que fizemos para vencer esses caras, nós vencemos e ele foi e se juntou com eles". - disse Jae Crowder nessa quinta-feira aos repórteres de acordo com Tom Westerholm.
   Crowder completou dizendo que um pouco de culpa era dos Celtics, já que deixaram Durant um pouco afastado, mas nunca pensou que isso fosse importar, nunca esperava que KD fosse ir para Golden State. "Eu senti depois, falando com Isaiah, talvez depois de sentar, você não deve ter dito tudo. Mas p***a , quem pensou que ele estava indo para Golden State, de forma realista? Basicamente, foi como um tapa na cara para nós."
   O ala estava falando no programa, 60 Days of Summer, no Naismith Memorial de Basquete Hall da Fama, e também protestou contra a ascensão do Super Time na NBA, ele disse que os Warriors estão pintando um alvo em suas costas. "Essa é equipe é com certeza o vilão da liga. Cada outro cara na NBA, meus amigos, estão realmente indignados com o campeonato estar realmente se ligando a isso. Todo mundo está se unindo, todos querem ir para Cleveland ou Golden State."
   Mesmo jogando na mesma posição, Durant é mais alto e tem mais tendência de conseguir atuar como ala/pivô, o que indignou Crowder é que ele já estava disposto a perder alguns minutos e diminuir sua função para KD chegar aos Celtics. Mesmo assim, Crowder deixou claro que se preocupa com a equipe, e acredita que mesmo com a aquisição de Al Horford ele acha que faltam pelo menos duas peças na equipe. O ala disse que vão ter de aproveitar os jovens que possuem, e tentar ser o mais agressivos possível, mas nos limites da equipe.
   A movimentação de Durant causou muito impacto na liga, mas provavelmente os Celtics foram quem mas se indignaram e sentiram-se traídos. 

quarta-feira, 20 de julho de 2016

"Eles sabem como jogar" diz Thibodeau sobre Rose e Noah nos Knicks

Trio brilhou nos tempos de Chicago e quase se juntou em Nova Iorque

   Se alguém tem ideia do que esperar de Rose e Noah é Tom Thibodeau, o ex-treinador do Chicago Bulls acha que a mudança de cenário de seus discípulos será boa tanto para eles, quanto para os Knicks.
   "Eu acho eles dois incríveis. Eles já provaram isso. Acho que vai ser bom para eles, acho que vai funcionar. Eles têm uma boa equipe, a forma como Carmelo Anthony joga, junto com Kristaps Porzingis e Courtney Lee, eles vão ser bons". - disse o treinador do Minnesota Timberwolves a Marc Berman do New York Post na terça-feira.
   Thibs treinou Rose e Noah por cinco temporadas, de 2010 a 2015 (embora Rose tenha passado mais tempo de molho que jogando), ainda assim o Bulls teve um registro de 255 vitórias e 139 derrotas, foi aos Playoffs em todas as temporadas, e duas vezes terminou a temporada como o líder da Conferência Leste.
   "Mentalmente eles são experientes. Quando se tem veteranos com isso, ele acrescenta muito para a sua equipe. Eles sabem como jogar. Eles mostram isso em jogos importantes. Eles não são egoístas e jogam para ganhar. Isso é uma grande vantagem. Eles são caras durões ... Eles são muito além ... Você tem que lembrar. Rose é de Chicago. Noah é de New York. Eles sabem lidar com isso." 
   No começo da primavera, antes de assinar com os Wolves como treinador e presidente, haviam rumores que colocavam Thibodeau no New York Knicks. Melo teria se mostrado favorável para isso, e acredita que Thibodeau teria aceitado uma oferta bem formulada. Mas o presidente do Knicks, Phil Jackson, teria recebido má recomendações de  antigos patrões rancorosos de Thibodeau, e não foi atrás.
   O treinador passou sete anos trabalhando com os Knicks, entre 1996-2003 como assistente, e teria se reunido com Rose e Noah se tivesse tido a oportunidade de voltar a New York. Ainda assim, ele diz não guardar mágoas por não ter recebido uma ligação. 
   "Eu estou bem. Consegui o emprego que queria. Estou feliz. Desejo-lhes bem."
   A chegada de Rose e Noah fecha um bom plantel titular, com Porzings provando ser um bom jogador, com Melo que é um excelente atleta,e com o sempre confiável Cortney Lee fechando o grupo. Se Thibodeau tivesse chegado a New York, com o conhecimento de basquete que tem e com dois atletas que já sabem como jogar com ele, os Knicks seriam um forte candidato as primeiras posições da conferência, e mesmo sem o treinador, eles devem fazer muitas coisas boas no próximo verão.

terça-feira, 19 de julho de 2016

Larry Bird feliz com retorno de Paul George a seleção

   
Paul George e o retorno a Seleção USA alegram Larry Bird
   O Hall da Fama, membro do Dream Team, Larry Bird, agora presidente de operações do Indiana Pacers guarda a Seleção dos USA no coração. Ele sente-se muito orgulho do progresso que a sua estrela, Paul George, fez ao trilhar seu caminho para voltar a seleção, depois de uma fratura na perna direita em 2014.
   "É uma boa situação para ele, porque ele voltou e teve um ano muito bom ano passado. Nenhuma dor. Passou por tudo isso. E acho que seu objetivo sempre foi voltar e jogar por seu país e estar em torno dos caras que são os melhores da liga, ou alguns deles são. Apenas voltar a estar envolvido na Seleção dos USA, porque ele teve um longo período de dois anos." - disse Bird a Nick Friedell da ESPN.
   O Hall da Fama entende que não foi fácil para o jovem All-Star de 26 anos se recuperar da lesão, e o elogia por ter conseguido. "Quanto você passa por algo assim, acho que é algo mais mental do que físico. Mas foi uma lesão horrível. Levou tempo, mas ele trabalhou duro e fez as coisas necessárias para voltar."
   Bird poderia ter guardado mágoas da seleção, já que a lesão de Paul George aconteceu em um treinamento com a seleção e lhe afastou da maior parte da temporada 2014/15. Mas as lembranças de competir pelo seu país falaram mais alto, Bird sente-se honrado por jogar na seleção durante o ensino médio, a universidade e como jogador profissional. 
   "Eu só queria que todo mundo tivesse esse sentimento. Se você ama seu país e começa a representá-lo, e pode ganhar, é um dos melhores sentimentos, e eu queria que Paul sentisse isso. E sei que ele se importa, ele quer jogar e quer ganhar, e eu acho incrível". 
   Paul George teve uma recuperação muito boa pela gravidade de sua lesão, apresentou um bom basquete na temporada passada com 23.1 pontos, 7 rebotes e 4.1 assistências por partida. É um dos principais nomes da seleção que vem ao Rio e com certeza deve jogar o máximo para conquistar uma medalha olímpica, de preferência de ouro, que é um dos grandes marcos da carreira de um jogador da NBA. Tá com moral com o chefe, hein?!

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Heróis do passado: Nate Thurmond

San Francisco Warriors o começo da lenda
   Nossa série hoje vai relembrar a história de Nate Thurmond, o primeiro jogador a anotar um quadruplo-duplo na história e que faleceu na última semana (16) por conta da leucemia. Thurmond fez história por onde passou, sendo um pivô dominante, que sabia pegar rebotes como ninguém e conseguia pontuar com maestria.
   O pivô começou a jogar basquete em Akron, sua cidade natal, pelo Akron Central High School, jogando ao lado de Gus Johnson, futura estrela da NBA e companheiro de equipe. Depois de formado, recebeu uma oferta de bolsa de estudos em Ohio State, mas não aceitou o convite para não ser banco de Jerry Lucas, seu rival nos tempos de ensino médio, assim optou por jogar em Bowling Green. 
   Pela modesta universidade fez história, em suas três temporadas com a equipe sempre foi o líder da Conferência Mid-American em rebotes, terminando a carreira com média 17 rebotes por partida e em 1963 foi All-American. Nas suas duas últimas temporadas foi responsável por levar a equipe ao torneio da NCAA e no seu último jogo estabeleceu o recorde da universidade de rebotes em uma partida, com 31. Thurmond teve média de duplo-duplo em suas três temporadas, terminando sua carreira com médias de 17.8 pontos e 17 rebotes por partida.
   Sua carreira na NBA começou em 1963 no Draft, quando foi a terceira escolha do até então San Francisco Warriors. Como novato ele simplesmente serviu como apoio para Wilt Chamberlain, e teve médias baixas de 7 pontos e 10.4 rebotes atuando em 25.9 minutos por jogo, ainda assim foi selecionado para o Time All-Rookie. Com a saída de Chamberlain para o Sixers, Thurmond tornou-se um pivô extremamente produtivo, estabelecendo o recorde de rebotes em um único período (18) e com médias de 21.3 rebotes na temporada 1966-67 e 22 na temporada 1967-68, ano em que foi o segundo colocado na votação para MVP atrás de Chamberlain. 
   Da temporada 1967-68 até a temporada 1971-72, teve médias de 20 pontos ou mais e atuou em sete All-Star Games como membro do Warriors. Infelizmente, mesmo com as contribuições de seus companheiros, principalmente Rick Barry, os Warriors nunca venceram um título com Thurmond como pivô, chegando as Finais de 1967 e perdendo para o Sixers de Chamberlain.
Bulls e o quadruplo-duplo
   Antes do começo da temporada 1974-75, Thurmond foi trocado para o Chicago Bulls por Clifford Ray e logo em sua estreia no dia 18 de outubro de 1974, tornou-se o primeiro atleta da história a anotar um quadruplo-duplo oficialmente com 22 pontos, 14 rebotes, 13 assistências e 12 tocos. Antes da temporada 1973-74 os tocos não faziam parte das estatísticas da liga. Pelo Bulls jogou duas temporadas com médias de 7.3 pontos e 10.5 rebotes, transferindo-se para a equipe de sua terra natal em 1975, o Cleveland Cavaliers.
A volta pra casa e a aposentadoria
   Com os Cavs o agora veterano com 35 anos, era um backup até a lesão de Jim Chones, quando ajudou a liderar a franquia até as finais da Conferência Leste onde foram batidos pelo Boston Celtics. Jogando com minutos limitados, Thurmond teve médias inexpressivas de 5 pontos e 4.4 rebotes em sua passagem pelo Cleveland, aposentando-se ao término da temporada de 1976-77. Depois de aposentado voltou para San Francisco, onde abriu uma churrascaria chamada Big Nate, depois de 20 anos vendeu o restaurante. Ele recebeu do Warriors o título de lenda e embaixador da franquia. Infelizmente no último dia 16 veio a falecer por conta da leucemia. 
   Sua carreira é marcada por grandes feitos, o primeiro atleta a anotar um quadruplo-duplo, um dos cinco jogadores da história com média de pelo menos 15 rebotes por jogo na carreira, um dos cinco jogadores a ter média de pelo menos 20 rebotes por jogo em uma temporada, um dos quatro jogadores da história a pegar pelo menos 40 rebotes em um jogo e recorde da NBA de rebotes em um período. Os números mostram o quão importante essa lenda foi, seu legado está aí para ser lembrado, ele é membro do Hall da Fama e tem o número 42 aposentado por Cleveland Cavaliers e Golden State Warriors e é considerado como um dos 50 melhores jogadores da história. Merece muito a recordação.

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Para Iguodala o Thunder era melhor que o Warriors

Iguodala diz que Thunder era melhor que o Warriors

   Andre Iguodala deu entrevista a uma rádio americana e com uma declaração bem forte, com relação aos Playoffs passados e a perda do título.
Durante as finais de conferência o Golden State Warriors enfrentou uma grande dificuldade, perdiam a série por 3 a 1 para o Oklahoma City Thunder e conseguiram virar e ganhar em 7 jogos. Mas mesmo com essa reviravolta, Iguodala acredita que o Thunder merecia ter sido campeão da NBA.
   "Agora que temos o Kevin Duratn posso dizer: Eles eram a melhor equipe nos Playoffs na temporada passada. Eles foram melhores do que nós. Eles foram melhores do que os Cavaliers. Eram a melhor equipe dos Playoffs, teveriam ter ganho o campeonato". - disse o ex-MVP das Finais em entrevista a uma rádio.
   Ele conta ainda como conseguiram reverter uma eliminação que era bem provável.
   "Nós os bloqueamos. Mas eles foram melhores do que nós. Eles jogaram melhor do que ninguém. Melhor que o Cavs jogou contra nós. Eles tinham a nossa cadência. Algumas das coisas que eles estavam fazendo, era como, 'oh cara'. Tivemos que jogar com perfeição".
   Mas o feitiço virou contra o feiticeiro e o Warriors provou do seu veneno, perdendo de virada após abrir 3 a 1 contra os Cavaliers. Ainda assim, a análise de Iguodala é boa, o Thunder jogou o fino do basquete contra o Warriors, mas não soube fechar a série. Não sei se foram a melhor equipe dos Playoffs, mas nessa temporada tinham a grande chance de ganhar o campeonato e deixaram escorrer por entre os dedos, pode ser que sirva de lição e daqui a um tempo consigam novamente se encontrar nesse momento e ter sucesso.

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Howard e seu temperamento

Problemas de relacionamento fizeram Howard optar pelo Atlanta Hawks

   Howard mudou-se para Atlanta e como diria o Chapolin Colorado: "suspeitei desde o princípio", que o problema poderia ser o relacionamento com o Barba do Capeta. E foi exatamente o que o pivô confirmou hoje, dizendo que tinha uma relação um tanto quanto pesada com o ala.
   "Não foi tão bom quanto precisava ser para nós dois termos sucesso. Mas olhando para trás, não há nada agora que possamos fazer agora para mudar isso."  - disse Howard no programa Mike & Mike da ESPN na rádio.
   O pivô chegou em Houston em 2013, um ano depois de Harden, e a equipe teve uma corrida até as finais da Conferência Oeste de 2015, sendo a melhor campanha que os Rockets conseguiram fazer nos últimos anos. Howard não recebeu muito a bola durante seu tempo em Houston, e quando questionado se sentia que a equipe não tinha lhe envolvido muito ofensivamente respondeu:
   "Sem dúvida. Eu sei do que sou capaz. Não era como se eu fosse receber a bola em cada posse." Ainda assim, Howard liderou a liga em passes recebidos no post e foi o segundo em passes no garrafão. Porém jogando com uma estrela dominante como Harden, esse foi o primeiro passo para a tensão entre os dois surgir. 
   Mas para Howard os problemas com companheiros de equipe não são novidade, em 2012 Stan Van Gundy disse abertamente que o pivô queria a sua demissão quando treinava o Orlando Magic, depois no Lakers teve problemas nos vestiários com o exigente Kobe Bryant. E agora com James Harden. Mesmo assim, com problemas e sofrendo com algumas lesões o pivô foi bem eficiente nessas três temporadas, tendo médias de 16 pontos, 11.7 rebotes e 60,1% de aproveitamento nos arremessos de quadra.
   Howard finalizou dizendo: "Eu não quero que pensem que sou um jogador do tipo egoísta"
   Ficou bem claro que os problemas de relacionamento novamente prejudicaram D12, ele tem que controlar o seu temperamento e comportamento, sim egoísta. O cara é um pivô dominante, alto, forte e com uma impulsão invejável, mas não tem cabeça para segurar o seu ego. Em Atlanta pode funcionar, até porque lá não tem nenhuma grande estrela, tem o Millsap que joga na 4 e vai ajudar o Howard, muito provavelmente o jogo seja centrado neles dois e no garrafão, o que deve facilitar para o pivô experiente. Vamos aguardar a temporada e ver quanto tempo D12 vai durar em Atlanta.

quarta-feira, 13 de julho de 2016

"Não nos vejo como azarão" - Kyrie irving

Kyrie não vê os Cavs como azarões

   O Cleveland Cavaliers calou o mundo do basquete, quebrando um jejum de 52 anos de Cleveland sem título e tornando-se a primeira equipe da história a virar uma série com revés de 3 a 1. Mas, agora com a agência livre, os olhos do mundo voltaram-se para o Golden State Warriors depois da aquisição de Kevin Durant, e com a formação de um super time.
   Kyrie Irving que fez a cesta da vitória a menos de um minuto do final da partida número 7, não acredita que os Cavaliers devem ser vistos como azarões para repetir o título após o Warriors terem reforçado seu elenco de maneira tão potente.
   "Eu não sei como me sinto. Não sei o que se sente ao ser um azarão. Nunca me vejo como azarão, em nenhum momento da minha vida. Vindo para a próxima temporada, provavelmente haverão alguns favoritos, mas eu definitivamente não nos vejo como um azarão." - disse Irving a Zach Frydenlund do Complex Sports. 
   Irving quer desafiar as probabilidades de alcançar o sucesso. O armador três vezes All-Star teve de se recuperar de uma fratura no joelho esquerdo, lhe deixando de fora de quase todas as finais do ano passado contra o Golden State Warriors e agora, de lutar contra o ceticismo sobre a sua equipe ser capaz de vencer um campeonato.
   "Os haters não eram a minha verdadeira motivação para querer o campeonato. É bom provar que as pessoas estão erradas quando conseguimos fazer grandes coisas, mas eles não me fazem levantar de manhã para provar que estão errados. Eu apenas acho que solidificou nossa equipe, que solidificou as imagens que tínhamos de nós mesmos e o quão grande eramos como equipe. Nós finalmente nos solidificamos. Só me lembro de Vegas, e dos números e as chances de voltar de 3-1. Todos praticamente nos colocando fora e eles (Warriors) sendo novamente campeões. Todo aquele ruído foi ótimo. Ele acabou adicionando combustível para o fogo". 
   Acredito novamente em uma reedição da final, pela terceira vez consecutiva, e novamente o Warriors como favorito. Mas, até lá temos 82 partidas e muita coisa pode acontecer. De qualquer forma, não vejo o Cavs como azarão, pra mim são um dos favoritos com uma árdua tarefa pela frente, mas sim, favoritos a chegar ao título novamente.