sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Valeu Big Ticket!

Futuro Hall da Fama aposentou-se da liga hoje

   Dizer adeus é sempre difícil, pra um dos meus jogadores favoritos pior ainda. Ano passado perdemos Kobe e Duncan, ícones do basquete, hoje perdemos KG um dos melhores alas/pivôs da história, um cara que dominava o garrafão e que era um exímio defensor. 
   Garnett chegou a liga em 1995 como a quinta escolha do Draft, vindo diretamente do Ensino Médio. Chegava a NBA como o Mr.Basketball de Illinois e o Jogador do Ano do Ensino Médio, com médias de 25.2 pontos, 17.9 rebotes, 6.7 assistências, 6.5 tocos e 66,8% de aproveitamento dos arremessos de quadra. No jogo do All-American foi o MOP com 18 pontos, 11 rebotes, 4 assistências e 3 tocos, impressionando muito antes do Draft, posteriormente KG foi eleito um dos 35 melhores All-Americans da história.
   Sua primeira temporada não foi muita expressiva, mas foi boa o suficiente para ser membro do Segundo Time dos Novatos com médias de 10.4 pontos e 6.3 rebotes, jogando 80 partidas, sendo 43 como titular. Mas a partir daí foi apenas evolução de uma carreira impecável, em 1997, na sua terceira temporada já foi selecionado para o All-Star Game, algo que se repetiria por mais 14 oportunidades.  Da sua segunda temporada para frente sempre foi titular, em qualquer equipe que atuou, mesmo que jogasse apenas 5 partidas como na temporada 2014-15. 
   Da temporada 1998-99 até a temporada 2006-07, todas pelo Minnesota Timberwolves, teve médias de duplo-duplo, pelo menos 20 pontos e pelo menos 10 rebotes. Sendo que na temporada 2003-04 foi o MVP com médias de 24.2 pontos, 13.9 rebotes, 5 assistências, 2.2 tocos e 50,2% de aproveitamento. Com os Timberwolves foi aos Playoffs, de forma consecutiva, de 1996 até 2004, sempre sendo o destaque da equipe, com médias de 22.3 pontos e 13.4 rebotes, infelizmente sem ser campeão.
   Mas chegou o Boston em sua vida, de 2007 a 2013 Garnett foi um dos comandantes dos Celtics, jogando muita bola por lá também. Ao lado de Paul Pierce e Ray Allen formaram um big three invejável, muito eficiente e que já em seu primeiro ano de formação conseguiu ser campeão da NBA, único título da carreira de KG. Na temporada 2009-10 voltaram as finais, mas perderam para o Lakers em sete jogos, como deve ser para a maior rivalidade da NBA, uma série memorável. 
   Saindo de Boston foi para o Brooklyn, onde jogou por mais duas temporadas, com um time bem fraco mas que ainda assim foi uma vez aos Playoffs. A partir daqui foram suas pores médias na carreira, e o indício de que seus anos estavam perto do fim. Já com 38 anos voltou para sua casa, ao Minnesota, de onde se despediu hoje aos 40 anos. Garnett deixa o basquete com médias de 17.8 pontos, 10 rebotes, 3.7 assistências e 50,1% de aproveitamento dos arremessos. Foi 1 x Campeão da NBA, 1 x MVP, 1 x MVP All-Star Game, 4 x All-NBA Primeiro Time, 3 x All-NBA Segundo Time, 1 x Jogador Defensivo do Ano, 9 x All-NBA Primeiro Time de Defesa, 4 x Reboteiro da Liga, Líder de todos os tempos do Timberwolves em pontos.
   Glen Taylor, proprietário dos Wolves disse em comunicado oficial da equipe: "Foi uma verdadeira alegria ver KG entrar na liga como um jovem e vê-lo desenvolver suas habilidades para se tornar um dos melhores na NBA. Eu tenho valorizado a oportunidade de vê-lo crescer como um líder. Desejo-lhe que continue com sucesso no próximo capítulo de sua vida. Seus fãs de Minnesota sempre vão valorizar as memórias que proporcionou".
   Garnett ocupa o 5° lugar na história em jogos, 9° lugar em total de rebotes, 17° em tocos e 20° em pontos. Ele era  jogador ativo a mais tempo na NBA, com 21 temporadas. Agora resta a nós fãs de basquete olhar muitos vídeos de KG no youtube e ficar com as boas lembranças de uma brilhante carreira, Big Ticket certamente será um Hall da Fama e merece muito. Obrigado KG! 

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Ex treinador da NBA e NCAA perto do High Shcool

Treinador de carreira brilhante perto de East Hampton

   Aos 76 anos de idade, Larry Brown pode continuar sua carreira de treinador no nível de Ensino Médio. O membro do Hall da Fama está considerando treinar East Hampton High nessa temporada, em New York de acordo com C.L. Brown da ESPN nesta terça-feira. Brown tem uma casa de verão não muito longe da escola e recentemente soube da vaga.
   "Esta noite eu vou à escola ver as crianças e falar com o diretor de esportes. Eu gostaria de poder dizer-lhe quando vou tomar uma decisão. Estou esperançoso, é muito perto." - disse Brown. 
   O treinador deixou a SMU neste verão depois de não chegar a um acordo sobre a extensão do contrato. Os Mustangs lhe ofereceram um contrato até 2020, mas Brown queria um contrato mais longo.
O ex-campeão da NBA e NCAA sente que tem muito a trazer para o jogo do Ensino Médio. 
   "Quando você trabalha para as pessoas que eu trabalhei, e tinha as pessoas sentadas ao seu lado como tive, não parece certo se eu não compartilhar tudo que aprendi. Sei que eu tenho esse dom que posso ensinar. Eu só quero ajudar o jogo que está me dando muitas oportunidades incríveis, eu quero devolver."
   A atitude de Brown me parece incrível, um cara que já venceu na NBA e na NCAA  e quer trabalhar com o High School, ensinar tudo o que aprendeu e retribuir a sociedade o lhe foi dado. Imaginem para um atleta da escola ter Brown como treinador, os ensinamentos e tudo que pode aprender sobre o jogo? É simplesmente incrível, com certeza se ele ficar nessa escola, os atletas dele terão uma bagagem monstruosa de basquete, e isso pode decretar o futuro deles. O que vejo aqui, é um treinador que ama o jogo e que isso é o que move, não importa onde. 

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Heróis do passado: Earl Monroe

Winston Salem e o começo do sucesso
   Hoje nossa série relembra a carreira de Earl Monroe, astro da NBA que brilhou por onde passou, desde os parques da Philadelphia até o Baltimore Bullets e New York Knicks. Pra quem não conhece o cara, vem dar uma conferida.
   Nascido na Philadelphia, Monroe foi uma lenda dos parques desde muito jovem, seus companheiros de ensino médio lhe chamavam de Thomas Edison, pela quantidade de movimentos que criou. 
   Teve fama nacional ao jogar na Divisão II pela Winston-Salem State University, localizada na Carolina do Norte. Treinado pelo membro do Hall da Fama, Clarence "Big House" Gaines, teve uma brilhante carreira universitária, sempre em constante evolução. Suas médias foram de 7.1 pontos, 23.2 pontos e 7 rebotes, 29.8 pontos e 6.7 rebotes, e incríveis 41.5 pontos e 6.8 rebotes por jogo no seu último ano. Em 1967, seu último ano, ganhou o título de Jogador do Ano da NCAA e levou sua equipe ao título da Divisão da NCAA, além de ser nomeado All-American duas vezes.
Deixando marcas desde a primeira temporada
   Sua carreira profissional começou em 1967, quando foi a segunda escolha do Draft pelo Baltimore Bullets, atual Washington Wizards. Logo em sua primeira temporada foi o Novato do Ano com médias de 24.3 pontos, 5.7 rebotes e 4.3 assistências. Além disso, em um jogo contra o Lakers anotou 56 pontos, a terceira maior pontuação da história para um novato e na época o recorde de pontos da franquia. Juntamente com Wes Unseld formara uma dupla formidável em Washington, Monroe era um ícone com sua habilidade de pontuar em contra-ataques e arremessos acrobáticos, sobre isso ele disse: "A coisa é, eu não sei o que vou fazer com a bola, e se eu não sei, tenho certeza que o cara que está me marcando também não sabe". Ele estabeleceu o recorde da NBA para prorrogação, com 13 pontos anotados, marca superada por Gilbert Arenas. 
   Com exceção da sua primeira temporada, Monroe conseguiu levar os Bullets aos Playoffs em todas temporadas que atuou. Em 1971, seu agente anunciou que ele tinha intenção de sair para Bulls, Lakers ou Sixers, depois de quatroi jogos na temporada foi negociar com os Pacers e acabou parando no Knicks. Pelos Bullets, em cinco temporadas teve médias de 23.7 pontos, 3.7 rebotes e 4.6 assistências.
Knicks e seu anel de campeão
   Sua chegada em New York era uma aposta, não sabiam se ele e Walt Frazier poderiam jogar juntos. A dupla formada ficou conhecida como Rolls Royce Backourt, tornando-se uma das duplas mais eficazes da história, levando os Knicks ao título da NBA em 1973, onde Monroe teve médias de 16.1 pontos, 3.2 rebotes e 3.2 assistências. Pra se ter uma ideia do nível da dupla, é uma das poucas da NBA a ter ambos atletas entre os 50 melhores jogadores da história e no Hall da Fama. 
   Earl Monroe se aposentou na temporada 1979/80, aos 35 anos devido as graves lesões sofridas no joelho, mesmo assim teve médias de 18.8 pontos, 3 rebotes e 3.9 assistências, 1 x Campeão da NBA, 4 x All-Star, 1 x All-NBA Primeiro Time, um dos 50 melhores jogadores da história, membro do Hall da Fama do Basquete e do Basquete Universitário, tem o número 15 aposentado pelo Knicks e o número 10 aposentado pelo Wizards. Mais do que merecida essa lembrança.
   

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Obrigado Miami

Homem de caráter

   Pela primeira vez desde 2002, o Miami Heat vai começar a temporada regular sem Dwyane Wade na equipe, após o ala de 34 anos assinar um contrato de dois anos com o Chicago Bulls por 47,5 milhões de dólares.
   Sem dúvida o jogador mais influente na história da franquia, Wade agradeceu seus fãs do sul da Flórida, com uma foto e sua assinatura entre as interestaduais 95 e 395, dizendo "obrigado Miami".


   Wade foi a quinta escolha do Draft de 2003 pelo Miami Heat, jogou todas as suas 13 temporadas pela franquia e foi três vezes campeão da NBA, 12 vezes All-Star e foi All-NBA Primeiro Time em duas oportunidades. Uma vez que suas negociações com a diretoria do Heat falharam, ele optou por levar seu talento para casa, de volta a Cidade dos ventos.
   O Bulls vão a Miami no dia 10 de Novembro, na única visita que Wade fará a sua antiga franquia nessa temporada. Por tudo que fez, e pelo exemplo de atleta que é, com certeza será ovacionado pelos fãs do Heat. Aliás, Wade tem demonstrado ser um jogador acima da média, e provou todo seu respeito para os fãs que tanto lhe apoiaram e acreditaram nele.
   Profissionais como Wade são raros, em todos os campos de atuação, no esporte então pior ainda, muitos nem querem saber ou lembrar de onde vieram, ou pelo menos agradecer o que aprenderam por onde passaram. Ele demonstra todo o seu apreço pela franquia e pela cidade que lhe recebeu de braços abertos, torceu por ele, sofreu, ficou triste, ficou feliz, tudo com ele. Parabéns pela atitude Wade, um jogador com seu caráter é muito bem vindo ao meu amado Bulls.

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

"Estou feliz que posso terminar minha carreira aqui"

Lenda viva da NBA

   Dirk Nowitzki fechou um contrato com o Dallas Mavericks que pode fazer os fãs vê-lo jogar a sua 19° e 20° temporada pelo mesmo time. O alemão não tem certeza se vai jogar após o seu contrato acabar, com 38 anos ele vai deixar o seu corpo decidir.
   "Eu sempre disse que queria poder levar ano após ano. Mas a assinatura de um contrato de dois anos não significa necessariamente que tem de jogar esses dois anos. Acho que vamos ver como o próximo ano vai ser, como o corpo responde, e depois vamos tomar essa decisão novamente no próximo ano. Mas, obviamente, eu adoraria jogar os próximos dois anos e depois é só ver como vai ser. Nesse ponto eu vou estar perto dos 40, e já estarei na idade para a NBA, por isso vamos ter que esperar e ver como o corpo responde nos próximos dois anos " - disse Nowitzki a Tim MacMahon da ESPN.
   O alemão tem 1485 jogos e mais de 53000 minutos em sua carreira entre a temporada regular e playoffs, tudo para o Mavericks que conseguiram-no por troca no Draft de 1998. Nowitzki é o cestinha da NBA entre os ativos, e o sexto maior cestinha da história com 29491 pontos, sendo leal aos Mavs, aceitando receber menos em seu último contrato. Depois de optar por sair do terceiro ano de contrato, que lhe daria 8,7 milhões, o futuro Hall da Fama foi recompensado.
   Dirk concordou com um acordo de dois anos no valor de 40 milhões, antes de Marc Cuban modificar o valor para 50 milhões no mesmo período. Mas apenas 5 milhões estão garantidos para a temporada 2017/18. Nowitzki liderou os Mavs ao campeonato de 2011, é grato a Cuban e espera terminar a carreira onde começou.
   "Cuban tem sido incrivelmente leal a mim, e eu mostrei, obviamente, que queria estar aqui nos últimos dois anos. E acho que ele queria me recompensar de algum jeito. Isso faz, obviamente, me sentir bem e sentir querido. Estou feliz que posso terminar minha carreira aqui em Dallas, onde eu sempre quis estar, e espero terminar forte os últimos anos." - disse Nowtizki.
   Apesar de sua idade ele provou que ainda pode liderar a equipe, com médias de 18.3 pontos, 6.5 rebotes, 1.8 assistências, com 44,8% de aproveitamento dos arremessos de quadra e 36,8% das bolas três, jogando 31.5 minutos por jogo nas 75 partidas que jogou. Tomara que o alemão possa terminar a carreira ainda em boa forma, mesmo estando mais velho ele ainda consegue ser um jogador bem ativo, capaz de decidir jogos e quem sabe levar os Mavs longe.

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Rose acusado de estupro

Nada fácil a vida do astro

   Aparentemente nada é fácil na vida de Derrick Rose. O mais jovem MVP da história que vem a algumas temporadas sofrendo com contusões e mudou-se para New York na tentativa de voltar a ser um All-Star, agora sofre uma ação judicial por estupro em grupo.
   Uma mulher, identificada como Jane Doe, deu uma entrevista a um tablóide, dando detalhes sórdidos sobre sua relação sexual com Rose e outros dois amigos do astro, alegando que foi estuprada enquanto estava desmaiada.
   A mulher de 30 anos é uma universitária que procura manter o anonimato, e por enquanto os advogados do craque disseram: "Este não é um caso de estupro. É extorsão pura e simples por um autor que quer se manter no anonimato, enquanto procura milhões em danos de uma celebridade com quem estava a um longo prazo, em uma relação sexual consensual não exclusiva".
   O início do julgamento está marcado para o dia 4 de outubro, data em que começa a pré-temporada da NBA e que Rose completa 28 anos. Se o caso se manter, os detalhes se publicizados poderiam manchar a sua imagem e sua reputação. Ambos os lados reconhecem que um acordo pode ser uma possibilidade. 
   A mulher alega que Rose e seus dois amigos a estupraram na sua casa no começo da manhã do dia 27 de agosto de 2013, depois dela ter bebido tanto que vomitou e desmaiou. Rose e a defesa alegam que ela deixou eles entrarem e fez sexo de bom grado. 
   Supostamente Rose e a vítima se conhecem desde 2011, em uma festa em Hollywood quando organizou uma festa para comemorar seu título de MVP. Ambos lados concordam que era longo e com sexo consensual envolvido. Ela disse que se importava profundamente com Rose e que mantinham contato pelo Skype ou por telefone, e que se encontravam quando ele foi para Califórnia. Ela também fez uma viagem para vê-lo em Chicago.
   O engraçado da história é que no dia 26 de agosto Rose estava no Sul da Califórnia tratando o joelho e ela trabalhando em Los Angeles. Nessa noite festejaram na casa de aluguel do astro, e em seguida ela foi embora após beber vodka, vinho e tequila. Horas mais tarde os homens apareceram e a estupraram. 
   Porque levar três anos para prestar queixa por um estupro? Dizem os advogados de Rose que ela tentou extorquir dinheiro dele e quando não conseguiu começou com a história de estupro. Não tiro partido por ninguém, mas essa história tá mais para um final com acordo do que com Rose pagando milhões em indenização ou preso.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

"Ele é um jogador tipo Lebron"

Sempre comparado com Lebron, será que a pressão vai atrapalhar?

   Após sua entrada para o Hall da Fama, Shaquille O'Neal volta sua atenção para a temporada da NBA que começa no próximo mês.
   Enquanto Shaq sabe que essa classe de novatos não recebeu o mesmo reconhecimento dos anos anteriores, mas a lenda da LSU tem olhos voltados para um novato de sua antiga Universidade. "Eu não sei sobre todos eles, mas sei que meu garoto vai ser muito bom, Ben Simmons." - disse Shaq à Jessica Camerato do CSNPhilly.com.
   Ao passo que seu arremesso e penetração terão de melhorar, ele já está em um nível de elite como passador, uma habilidade que tem lhe gerado comparações com um dos melhores jogadores da atualidade. 
   "Ele é um jogador tipo Lebron. O que quero dizer com isso, Lebron faz um bom trabalho de fazer todos ao seu redor melhor, passando a bola e fazendo as coisas pequenas, e Ben é esse tipo de jogador". - disse Shaq.
Indiscutivelmente a maior crítica que Simmons sofreu em seu único ano na Louisiana , era a sua tendência a desaparecer em grandes momentos, hábito que Shaq espera que o fenômeno de 20 anos supere para que seu jogo continue a evoluir.
   "Ele recebeu um monte de críticas, principalmente na LSU por não assumir os jogos. Mas ele é jovem. Ele vai adquirir isso. Quando se trata de outros aspectos do jogo, ele é muito, muito inteligente. Ele joga o jogo muito bem."
A estreia de Simmons esta prevista para o dia 26 de outubro contra o Oklahoma City Thunder. 
   Com certeza os olhos de todos estarão voltados para Simmons, primeira escolha do Draft, comparado com Lebron James e que mostrou na Summer League uma visão de jogo e Q.I. acima da média. Acredito que ele vai ser o novato do ano fácil, que vai jogar muito bem e vai justificar tudo que foi dito, inclusive as comparações com Lebron. Se conseguir melhorar seu arremessos e as penetrações, ele será um jovem de 20 anos com 2,08 metros, com muita habilidade e Q.I., quase imparável.