sábado, 23 de maio de 2015

Heróis do passado: Tim Hardaway

Um dos grandes armadores da liga
   Hoje a série heróis do passado fala sobre o maior Trash Talker da história, Tim Hardaway astro do Warriors e Heat, fez história na liga com seu jeito único de jogar basquete. 
   Hardaway começou sua carreira no mundo do basquete jogando por Carver High School, de Chicago. Em seguida foi para a Universidade do Texas, foi treinado pelo futuro Hall da Fama Don Haskins. Foi nomeado duas vezes MVP do Sun Bowl Invitional Tournement de El Paso, em 1987 e 1988, e jogou em duas equipes que chegaram ao torneio da NCAA em 1988 e 1989. Na UTEP ganhou o prêmio de melhor jogador do país com 6 pés de altura (1,83 m) ou menos, o Naismith Frances Pomeroy.
   Sua carreira na NBA começou em 1989, quando foi selecionado na 14° posição do Draft pelo Golden State Warriors. Com os Warriors fez parte do Run TMC, composto por ele, Mitch Richmond e Chris Mullin, como parte do ataque do Warriors ele foi responsável por acabar com um jejum da franquia, com seus passes excelentes e sua habilidade no um contra um, junto com um arrasador Richmond e os arremessos de Mullin. Os Warriors foram aos Playoffs em 1990, batendo os Spurs na primeira rodada, mas sendo eliminados pelo Lakers de Magic Johnson, nessa série Hardaway teve médias de 26.8 pontos, 12.8 assistências e 3.8 roubos de bola. Ele se tornou o segundo jogador mais rápido da história a alcançar 5000 assistências e 2500 roubos de bola, em 262 jogos, ficando atrás apenas de Oscar Robertson. Hardaway jogou para os Warriors até o meio da temporada 1995/96, quando foi trocado para o Miami Heat juntamente com Chris Gatling em troca de Kevin Willis e Bimbo Coles.
   Em sua primeira temporada pelo Heat, Hardaway jogou apenas 28 partidas, pois começou no meio da temporada, tendo médias de 17.2 pontos por jogo e 10 assistências. A temporada seguinte foi um sucesso, ele terminou em 4° lugar na corrida para MVP, foi eleito para o All NBA First Team e o Miami terminou com o melhor recorde de sua história, 61 vitórias e 21 derrotas. Nessa temporada Hardaway começou 81 partidas, com médias de 20.3 pontos, 8.6 assistências e 4° lugar na liga em bolas de três convertidas (203). Até 2000 Hardaway foi atleta do Heat, tendo temporadas mais produtivas, outras não, é o segundo maior passador da história da franquia, e ainda pelo Heat detêm a segunda maior marca de roubos de bola em uma partida de Playoffs (8).
   Após a temporada de 2001, em declínio de seu basquetebol foi negociado para o Dallas Maverciks, mas era um atleta que vinha apenas do banco para compor o elenco, no meio dessa temporada foi trocado por Nic Van Exel do Denver Nuggets. A franquia de Denver foi sua última, onde jogou e começou as 14 partidas que disputou, antes de sua aposentadoria para se tornar analista da ESPN. No ano de 2014 começou a trabalhar como assistente técnico do Detroit Pistons. 
   Detêm o recorde da NBA de pior desempenho em uma partida, com 0 por 17 dos arremessos contra o Timberwolves em 1991. Foi o 7° jogador da história a atingir a média de 20 pontos e 10 assistências em uma temporada, fazendo isso duas vezes seguidas em 1991/92 e 1992/93. É o líder do Miami Heat em bolas de três convertidas (806), teve seu número (#10) aposentado pela franquia em 2009. Aposentou-se com médias de 17.3 pontos, 8.2 assistências e 1.6 roubos de bola, foi 5x All Star, 1x All NBA First Team, 3x All NBA Second Team, tem sua camiseta aposentada pelo Heat e pela UTEP.
   Hardaway é conhecido como Mr Crossover, por sua incrível habilidade no um contra um, suas assistências precisas, bolas de três e claro, seu trash talk, ele foi o Rei do Trash Talk. Muitos caras sofreram com suas provocações, mas ele sabia jogar bola e foi um monstro das quadras, merece o nosso respeito.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Marc Gasol não definiu seu futuro

Futuro ainda indefinido

   A possibilidade de Marc Gasol ser agente livre irrestrito e assinar com os Spurs nesse verão tem deixado seus companheiros do Memphis Grizzlies preocupados, de acordo com Sam Amick do USA Today.
   Os Grizzlies foram eliminados dos playoffs da NBA na derrota de 108 a 95 para o Golden State Warriors, no jogo 6, no FedExForum na sexta-feira. Gasol levou os Memphis com um double-double de 21 pontos e 15 rebotes, embora precisando de 23 arremessos para obtê-lo. O espanhol de 30 anos passou os sete anos de sua carreira com a franquia. Ele foi selecionado na 48° posição do Draft de 2007 pelo Los Angeles Lakers antes de ser enviado para o Grizzlies, como parte de um pacote por seu irmão Pau Gasol.

   "A cidade de Memphis e a franquia significam muito para mim. Não vai ser fácil para mim sair de um lugar como esse"- disse Gasol para Amick em entrevista no mês de fevereiro. 


   É claro que Gasol tem uma estreita ligação com a organização Grizzlies e seus fãs. Jogando para o treinador Gregg Popovich e potencialmente unindo com o futuro Hall of Famer Tim Duncan no ataque do Spurs, pode ser uma oportunidade muito sedutora para deixar passar. No entanto, Frank Isola do New York Daily News informou em novembro que o Spurs teria Gasol omo alvo para substituir Duncan, veterano com 18 anos de carreira que deveria se aposentar. O New York Knicks e sua enorme quantidade de cap irá alegadamente, fazer uma proposta para Gasol.


   Os Grizzlies estão ao relento sem saber ainda o futuro de Gasol, já que o duas vezes NBA All-Star não fala muito sobre o assunto. Fãs do Memphis só podem esperar que a lealdade e as relações de Gasol com seus companheiros de equipe o impeçam de procurar pastos mais verdes em outros lugares.

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Se aposenta ou não?

Tomara que jogue mais uma temporada
   Não se sabe se é certo ou não, mas a carreira de Paul Pierce pode ter acabado a pouco tempo, com o arremesso no estouro do cronômetro contra o Atlanta Hawks, mesmo que não tenha valido. Pierce e o Wizards viram a sua temporada terminar na sexta-feira passada (15), quando seu arremesso entrou mas por um milésimo de segundo ao estouro do cronometro a bola estava em sua mão. O arremesso foi do vintage Pierce: um misto de dificuldade, impossível e imensurável clutch. A razão pela qual ele está aqui e tudo mais.
   E apesar de uma opção de US $ 5,5 milhões para a próxima temporada, sugere que ele jogue até um futuro não muito longe, 2017, essa jogada pode ser a memória final de Pierce no basquetebol e os fãs devem valorizar. Após a eliminação dos Wizards, Pierce disse que não sabe se vai voltar para 2015-2016, dizendo que sua decisão vai depender de conversas com sua família. "Eu não tenho muito mais desses esforços, se for o caso. Esta corrida em toda a temporada da NBA, ao longo dos Playoffs, são muito emocionais. Eles levam um monte, não só de seu corpo, mas sua mente, seu espírito."
   É inteiramente possível que Pierce não queira sair de um jeito ou de outro, após uma derrota comovente, e ele não seria o primeiro jogador a colocar em dúvida essa questão apenas para voltar mais tarde enfaticamente. Porém Pierce disse também que "ele tinha seu tempo", tem 37 anos e ganhou um valor estimado de US $ 190 milhões como profissional, tornando o ano opção muito menos do que estímulo financeiro. A esperança para os fãs é que Pierce retorne, como ele é uma presença icônica e incrivelmente divertido, isso vem em dobro para os fãs do Wizards, Pierce tem sido fundamental para o desenvolvimento de Otto Porter como jogador, Bradley Beal como trash-talker e os assistentes como uma ameça legítima.
   Ele também continua a ser uma via de duas mãos na combinação de alas eficaz. Em 73 jogos teve média de 11.9 pontos, 4 rebotes e 2 assistências, atingindo 38,9% de aproveitamento dos arremessos de três pontos. Os Wizzards anotavam 5.6 pontos por 100 posses de bola com ele na quadra, e isso aumento muito sobre ele para os arremessos finais nos Playoffs.  
   O técnico Randy Wittman parece convencido de que Pierce tem pelo menos mais um ano sobre seu comando. "Eu adoraria telo de volta. Eu acho que ele quer estar de volta. Eu não sei, eu não vou colocar palavras na sua boca, mas eu ficaria surpreso se ele não o fizesse", disse Wittman. "Eu acho que o que ele viu com esses caras e o coração que esta equipe tem. Por que você não jogaria no final de sua carreira com um grupo como esse?"
O, até o momento, último arremesso da carreira
   Pierce é o 16° maior cestinha de todos os tempos da NBA, e está a 50 pontos atrás do ex-companheiro Kevin Garnett e a pouca distância do Top 10 pode fazer ele jogar mais dois anos. "Caras como ele que são Hall of Famers nunca deixam de surpreender você e eu pensei que ele seria bom para nos elevar este ano. Não só o que ele faz quadra, mas sua liderança e direção que deu no vestiário aos caras. Você não pode treinar isso. Isso é algo que você tem ou não. Ele tem isso. Ele nos deu tudo que tinha nessas duas séries. Nós montamos nele.-disse Wittman"
   Se isso for mesmo verdade, é uma pena encerrar a carreira com um último arremesso que não valeu. 

Separados?

   
Gêmeos do time sensação de Kentucky
   Os irmãos Harrison se imaginam mais como Gasol ou Plumlee do que Morris ou Dragic.
   Apesar de jogarem a vida toda juntos, os gêmeos idênticos fora de Kentucky estão conscientes de que suas carreiras como atletas profissionais devem se desviar. Mesmo com os dois sendo selecionados dia 25 de junho (que ainda não é uma certeza), as chances de uma equipe com ambos é escassa.
"Nós realmente não nos importamos muito"- disse Aaron Harrison, "Nós sabemos o que está vindo". "Estamos animados com isso na verdade"- acrescentou Andrew. 
   As mediações do draft apontam que os gêmeos poderiam se encontrar frente a frente nessa temporada, e é provável que as equipes trabalhem assim para ver como defendem fora de posição. Para um, o pré-draft é para solidificar seu basquete e tentar entrar na primeira rodada, enquanto o outro está lutando por sua vida profissional.
Um é certo o outro ainda não
   Andrew Harrison é um armador de 2,01 m que acreditasse ser uma escolha de segunda rodada, mas pode ser selecionado ainda na primeira rodada devido a presença marcante no NBA Draft Combine 2015. Ele é enorme para um armador e tem tudo para ser um grande defensor, capaz de fazer muitas jogadas e pontuar no ataque.  Aaron Harrison é um ala de 2,01 m e seu tamanho não é tanto uma vantagem, e sua performance como arremessador faz sua escolha difícil.  Ele é provável escolha de segunda rodada, tem alguns bons atributos mas sua dificuldade em arremessar no 5 contra 5 o derruba. 
   A realidade dos irmãos pode não ser apenas em franquias separadas, mas talvez em ligas diferentes.

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Heróis do passado: Reggie Miller

Tempos de UCLA
   Hoje a nossa série lembra a carreira de um dos melhores arremessadores de bolas de três, Reggie Miller, o 2° da história em arremessos de três convertidos, ídolo do Indiana Pacers e campeão olímpico em Atlanta 96.
   Miller é de uma filha atlética, composta por 5 irmãos, seu irmão Darrell é ex-jogador da MLB, sua irmã Tammy jogou vôlei e sua irmã mais velha Cheryl é do hall da fama do basquetebol feminino. Miller se disse capaz de jogar basquete somente quando conseguiu bloquear um arremesso de Cheryl no 1 contra 1. Jogou basquetebol no ensino médio por Riverside Polytechnic e depois na universidade pela UCLA onde se formou em história. Pela UCLA foi campeão da NIT, foi duas vezes All-PAC-10, campeão da Pacific-10 e campeão da Conferência Pacific-10. É o segundo maior cestinha da história da UCLA, atrás apenas de Kareem Abdul-Jabbar, ele detém ainda os recordes da UCLA de pontos na liga, maior média de pontos e mais lances livres.


Maior pontuador da franquia
   Sua carreira na NBA começou em 1987, quando foi a 11° escolha do Draft pelo Indiana Pacers, no dia de sua seleção a mesma foi muito questionada pelos fãs, pois eles esperavam que fosse draftado Steve Alford, nativo de Indiana. Por conta disso o presidente da franquia foi muito vaiado no momento. Desde o início de sua carreira ele foi líder no Pacers, tornando a franquia uma equipe que sempre chegava aos Playoffs. Em 1992 com a saída de Chuck Persons, ele tornou-se a principal chave do ataque, e no dia 28 de novembro desse ano, anotou sua maior pontuação na carreira contra o Charlote Hornets com 57 pontos. A poucos dias se comemorou o aniversário de 21 anos de um jogo memorável, mais precisamente um final de partida, onde Miller jogando contra o Knciks no Madison Square Garden anotou duas bolas de três, anotando oito pontos em 8.9 segundos, ganhando o jogo e discutindo com Spikee Lee, em um dos jogos mais famosos da história dos Playoffs.
   Depois que Jordan se aposentou, o Pacers de Miller era tido como o favorito para vencer a NBA, na temporada de 1999 que foi encurtada devido ao lockout, chegou as finais de conferência contra os Knicks. Onde foram eliminados, os Knciks eram o oitavo do leste e Miller jogou uma de suas piores partidas na carreira com apenas oito pontos. Em 2000 Reggie Miller entrou para a história dos Palyoffs junto com o companheiro Jalen Rose, quando marcaram 40 pontos cada contra os Sixers, se tornando a maior pontuação de uma dupla na históra da pós-temporada. Nesse mesmo ano foram pela primeira e única vez as finais da NBA, mas perderam por 4 a 2 para o Lakers de Shaq e Kobe. 
2005 a sua última temporada
   Reggie Miller sempre foi um líder na quadra e nos vestiários, e em 2005 passou o papel de capitão da equipe para Jermaine O'Neal, que o respeitava muito e provou isso quando saiu de um jogo a pouco mais de um minuto do fim para não quebrar o recorde da franquia de pontos que é de Miller (57 pontos), no momento O'Neal tinha 55. Sua aposentadoria aconteceu ainda em 2005, no jogo em que os Pacers perderam a série de semifinais de conferência para o Pistons, sendo ovacionado pelo público e pelos jogadores adversários (ver vídeo abaixo). 
   Em sua carreira Reggie Miller atuou por 18 temporadas, 1389 jogos, é um dos seis atletas membros do clube 50-40-90, fez 2560 bolas de três pontos na carreira, a segunda maior marca da liga. Aposentou-se com médias de 18.2 pontos e 3 assistências, 5x All Star, 3x All NBA Third Team, Jogador de basquete do ano em 2002, tem o seu número aposentado pelo Pacers e pela UCLA e é o líder de todos os tempos em pontuação dos Pacers.
   Infelizmente, Reggie Miller é um dos jogadores sensacionais que não tem um anel de campeão, jogo muita bola e foi um dos melhores arremessadores da história, merece nossa homenagem e hoje é um dos comentaristas da TNT e da ESPN.

   

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Fãs sendo fãs

No auge ninguém ganharia de Jordan

   Uma pesquisa recente realizada pela Public Policy Polling provou que mais de um terço dos fãs de NBA podem ter capacidade de tomar decisões questionáveis, devido talvez aos altos níveis de estresse causados pelos Playoffs. 
   Dos 1471 eleitores pesquisados entre 7 e 10 de maio, 34% acreditam que Michael Jordan (que se aposentou em 2003) poderia derrotar a estrela do Cleveland Cavaliers, Lebron James em jogo de mano a mano ... hoje. Não há 15 anos. Não se ambos estivessem no auge de suas carreiras, mas agora, com Jordan tendo 52 anos e Lebron 30.
   A disparidade de idade, aparentemente, não parece ser o suficiente para deter o delírio de escolher a lenda do Chicago Bulls para sair vitorioso em um mano a mano em 2015. James passou Jordan para se tornar o nono de todos os tempos em assistências na pós-temporada, durante o jogo 1 da primeira rodada dos playoffs contra o Boston Celtics. Talvez alguns fãs estejam amargurados por estarem passando Jordan em algumas categorias de estatísticas.
   Em um anuncio do Youtube para o jogo de vídeo game NBA 2K14, Jordan listou uma série de grandes nomes da NBA que poderia derrotar 1 contra 1 em seu auge, incluindo Lebron. No seu auge, claramente não é o caso agora.
   Na minha opinião Jordan é intocável, o que ele fez com a NBA e o basquete ninguém fará, ele tornou o basquete e a NBA do tamanho que são hoje, e foi disparado o melhor de todos os tempos, bateria qualquer jogador no um contra um facilmente.

Bulls fica no caminho

Lebron jogou mal mas Cavs venceu
   Em dia que nada caiu o Bulls jogou mal e caiu em casa para o Cavaliers. FOi um vexame em casa, parecia que o Bulls ainda sofria com as ações do árbitros nos jogos 6 e 5. Ainda sobre arbitragem, a série foi definida com os erros do jogo 5 e 6, onde os mesmos mudaram o resultado e a favor do Cleveland.
   Em um jogo para ser esquecido, o Bulls foi eliminado pelo Cavaliers e está fora das finais do leste. A equipe de Chicago até começou bem o jogo, abrindo vantagem no primeiro período mas logo cedendo a virada. Depois disso o Bulls não se recuperou mais, perdeu no segundo período por 25 a 13 e no último período anotou apenas 13 pontos. Foi a menor pontuação em período da história da franquia, um número vergonhoso.
   Os destaques do jogo foram, para o Cavaliers, Dellavedova com 19 pontos e Lebron com 15 pontos e 11 assistências, aliás o armador reserva substituiu muito bem Irving que saiu machucado e não jogou mais, e Lebron jogou mal, apesar ter atingido um duplo-duplo. Pelo Bulls só se salvaram Rose com 14 pontos e 6 assistências e Butler com 20 pontos e 5 rebotes. Agora muito se especula sobre uma possível saída de Thibodeau de Chicago, para mim um erro, ele não é o culpado pela eliminação, os culpados foram os árbitros que mudaram a história no jogo 5 com expulsão apenas de Taj Gibson quando o Bulls vinha no seu melhor momento e no jogo 4 ao não darem falta técnica contra David Blatch, que geraria 2 lances e posse de bola para o Bulls, e no momento seria a vitória, pois o jogo estava a 8 segundos do fim.
Jogadores do Bulls abalados com a derrota
   Não acho o time do Cavaliers superior ao do Chicago, nem um pouco, a única coisa que me chateia é ver que a arbitragem será sempre a favor do Lebron, o Cavs já levou o campeonato, esse ano ninguém vai tirar isso deles, só se realmente for muito bom, pois tem que ganhar da arbitragem também. Agora o Cavaliers espera o vencedor da série Atlanta Hawks e Washington Wizzards, a qual encontra-se 3 a 2 para o Hawks e pode ser decidida hoje.